Publicado em: 13 de outubro de 2015

Oficina sobre “Apreciação e Redução de Riscos em Máquinas”

Oficina sobre “Apreciação e Redução de Riscos em Máquinas”
Pesquisadora da Fundacentro/RS, Maria Muccillo e o técnico da Fundacentro/SP, Roberto do Valle Giuliano (Foto:Arquivo do técnico)

A Fundacentro realizou uma oficina sobre “Apreciação e Redução de Riscos em Máquinas”, no Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza”. Participaram desta atividade, professores oriundos de diversas escolas da capital e do interior de São Paulo do Ensino Técnico da Rede Estadual. O tema foi abordado pelo técnico da Fundacentro de São Paulo, Roberto do Valle Giuliano e pela pesquisadora e educadora da Fundacentro do Rio Grande do Sul, Maria Muccillo.

“Esta atividade se propôs a fortalecer as competências acadêmicas e técnicas desse corpo docente interessado na sua atualização e melhor desempenho profissional”, comentam os servidores da instituição.

Completam informando que fomentar atividades em benefício do trabalhador é uma oportunidade ímpar para a Fundacentro, sobretudo em poder aproximar os conhecimentos relativos à segurança do trabalho em máquinas. “O nosso trabalho foi respaldado na formação e qualificação técnica de um expressivo número de discentes que estão sob a orientação desses professores”, salienta Roberto do Valle.

O planejamento da oficina foi precedido de uma análise do currículo dos cursos técnicos oferecidos pelo sistema de ensino, o qual identificou as oportunidades existentes para incluir e/ou transversalizar novos conteúdos, metodologias e abordagens relativas ao tema Segurança com Máquinas e Educação de Adultos.

Além disso, essa iniciativa pertencente aos Serviços de Projetos Industriais da Coordenação de Segurança do Processo de Trabalho (SPI/CPT) da Fundacentro/SP, a preocupação com a interface entre máquinas e seres humanos vem evoluindo ao longo dos anos, de maneira que aspectos relacionados à segurança e saúde façam parte dos conhecimentos mobilizados pelos projetistas de máquinas e equipamentos.

“A insipiência das técnicas aplicadas à segurança e saúde na proteção de máquinas, que não tinham lastro em normas técnicas, fez com que eventuais iniciativas na área de prevenção de acidentes com máquinas não mostrassem qualquer eficácia. Prover estudantes de informações pertinentes, que na prática profissional poderão fazer a diferença neste cenário, é a melhor estratégia para uma substancial e perene transformação”, discorre Giuliano.

Ainda informa que o momento educacional que se propõe nesta oficina, busca o fortalecimento das competências acadêmicas e técnicas do corpo docente com a intermediação de conteúdos e abordagem andragógica, para agregar valor à formação dos discentes sob sua responsabilidade.

Objetivos específicos e metodologia

Essa iniciativa pretende valorizar as conquistas da trajetória da segurança com máquinas ao longo dos últimos 20 anos; outro ponto destacado é de reconhecer riscos, perigos e medidas de controle e, também, obter critérios técnicos e andragógicos de acordo com aportes científicos e a NBR ISO nº 12.100, de 12/2013, que trata de Segurança de Máquinas – Princípios Gerais de Projeto – Apreciação e Redução de Riscos, essas medidas servem para balizar abordagens de conteúdos curriculares.

Essa norma (NBR) aponta tratativas para análise e redução de riscos que auxiliam projetistas nos procedimentos de identificação de perigos, bem como avaliação de riscos relativos às fases da vida útil da máquina. Vale ressaltar que a norma também atende e auxiliam, além dos projetistas, fabricantes, organismos e outros interessados a decifrarem as exigências de segurança de máquinas.

A apresentação de conteúdos aos alunos recebe apoio de ferramenta audiovisual e é intermediado por atividades em grupo. “Fazemos o acompanhamento da aprendizagem e do planejamento elaborado com vistas às possíveis alterações que se fizerem necessárias para alcançar os objetivos propostos”, relata o técnico.

De acordo com o técnico e a pesquisadora, as avaliações são feitas em etapas as quais serão sequencialmente aferidas por meio de trabalhos de grupo e respectivas apresentações de resultados, culminando com uma amostragem sobre o aproveitamento da oficina na práxis educativa.

A oficina ocorreu nos dias 15 e 16 de setembro.

Fonte: http://revistacipa.com.br