Publicado em: 17 de março de 2015

Massagem laboral ajuda a prevenir lesões no corpo

Massagem laboral ajuda a prevenir lesões no corpo
Massagem: mais de 10% dos casos de incapacidade por perda de movimentos ligados ao trabalho são relacionados a nervos, tendões, músculos e estruturas de suporte do corpo

Muitos bancos no Brasil e empresas privadas, principalmente multinacionais, têm este tipo de serviço Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que mais de 10% dos casos de incapacidade por perda de movimentos ligados ao trabalho são relacionados a problemas em nervos, tendões, músculos e estruturas de suporte do corpo, como a coluna. Segundo relatório divulgado em abril pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), as perturbações músculo-esqueléticas constituem o mais comum problema de saúde relacionado com a atividade profissional.

No Brasil, essas perturbações são conhecidas como Doenças Osteo musculares Relacionadas ao Trabalho (DORT), normalmente provocadas por movimentos repetidos de uma parte do corpo que levam a lesões em tendões, músculos e articulações, principalmente dos membros superiores, ombros e pescoço.Para prevenir, empresas brasileiras têm adotado práticas como ginástica e massagem laboral.

Oferecida no local de trabalho, a massagem laboral tem como objetivo promover o relaxamento e prevenir lesões, além da ajudar no alívio de dores localizadas. De acordo com, as empresas procuram o serviço de massagem laboral preocupadas com o bem estar dos funcionários. “As empresas que se preocupam mais com estas questões têm este serviço de uma forma regular. Muitos bancos no Brasil e empresas privadas, principalmente multinacionais, têm este tipo de serviço”, afirma Vasco. O interessante é receber este tipo de massagem uma ou duas vezes por semana, para maiores benefícios na prevenção de lesões. Entre as zonas mais afetadas pelos movimentos repetitivos e má postura estão o pescoço, os ombros e a zona lombar. A massagem pode funcionar como terapia e ajudar no campo emocional dos colaboradores da empresa.

Fonte: http://exame.abril.com.br