Em Goiás, 10% das mortes por acidente de trabalho são de trabalhadores da construção civil

Em Goiás, 10% das mortes por acidente de trabalho são de trabalhadores da construção civil

Segundo dados da Previdência Social, cerca de 10% das mortes causadas por acidentes de trabalho em Goiás, são de trabalhadores da construção civil. Entre 2013 e 2015, o número de acidentes fatais em obras no Brasil passou de 62 mil para 41 mil, o que corresponde a uma queda de 34% dos óbitos.

De acordo com o professor de Segurança do Trabalho da Escola de Engenharia Civil e Ambiental (EECA), da Universidade Federal de Goiás (UFG), Ulisses Ulhôa, quedas em altura, cortes e traumatismos são os principais acidentes em obras. Segundo ele, esses acidentes podem ser evitados com o uso de equipamentos de segurança e treinamentos realizados com a equipe.

“Os acidentes em obras ocorrem por falta da implantação e manutenção das Normas de Segurança obrigatórias nos canteiros de obras, principalmente falta de treinamentos eficientes para os gerentes e empregados. Além disso, a falta de uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) e Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC’s) e a falta da gerência da obra considerar a área de Segurança como prioritária contribuem para que esses acidentes ocorram”, explicou Ulisses.

O professor disse ainda que as normas de segurança do trabalho têm se tonado mais exigentes com o passar dos anos. “Nas empresas comprometidas com a segurança, a fiscalização é bem rigorosa, há bastante treinamento quanto ao uso dos equipamentos de segurança, bem como a distribuição desses equipamentos aos empregados”, explicou.

Dados

Entre 2013 e 2015, o número de acidentes de trabalho no País passou de quase 725 mil para 612 mil ocorrências, uma queda de 14%, segundo dados da Previdência Social. Goiás aparece em 7º lugar nacional em número absoluto de óbitos quando o assunto é acidente de trabalho: uma média 123 trabalhadores morrem no Estado todos os anos durante o exercício da profissão.

Em Goiás, 45% das mortes de acidente do trabalho são de pessoas que estão se deslocando de casa para o trabalho ou do trabalho para casa. Em segundo lugar estão os motoristas de carga, que representam 15% dos óbitos, seguidos pelos trabalhadores da construção civil, que somam outros 10% dos acidentes fatais. A Previdência Social ainda não divulgou dados quanto ao número de acidentes de trabalho em 2016.

Fonte: https://www.emaisgoias.com.br