Cresce mercado de equipamentos de proteção

Construção civil em expansão, incluindo obras de shoppings centers, alavancam vendas em Sorocaba

Segurança é um item necessário na hora de desenvolver qualquer tipo de trabalho, mas principalmente naqueles que oferecem mais riscos, como em algumas indústrias e na construção civil. Por isso, as empresas mostram que estão se preocupando mais em oferecer aparatos de segurança aos seus trabalhadores, a fim de evitar acidentes, já que o mercado desses produtos vem registrando crescimentos constantes nas vendas.

Em Sorocaba, por exemplo, há lojas especializadas que comercializam equipamentos de proteção individual e outros tipos de itens que chegam a acumular altas de 5% ao ano em suas vendas totais. A construção civil está em expansão na cidade, incluindo obras de shopping centers.

No mercado nacional, as luvas de proteção apresentam um aumento de 33,6% ao ano e os equipamentos contra quedas 20%, segundo dados da Associação Nacional da Indústria de Material de Segurança e Proteção ao Trabalho (Animaseg).

Apesar desse crescimento do setor, que deveria ajudar na segurança dos trabalhadores, houve 1.412 acidentes no primeiro semestre deste ano na região de Sorocaba, segundo o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Sorocaba (Cerest). Em todo o ano de 2012, foram registradas 3.514 ocorrências e 30 óbitos na região, que abrange 33 municípios.

O proprietário da loja Sovan Equipamentos de Segurança, Vanderson Rogério Ferreira Antunes, afirma que se trata de um estabelecimento familiar que seus pais iniciaram há 26 anos em Sorocaba. No início, era uma pequena loja, porém, ao longo dos anos, a demanda fez com que a empresa crescesse e conta hoje com mais de 1.200 itens em estoque, na Vila Progresso.

E a ideia é ampliar ainda mais, pois o mercado vem registrando diversas altas ao longo dos anos. “Atualmente o mercado está mais estável, mas todos os anos registramos um crescimento de 5%. Em 2012 foi quando tivemos um crescimento bastante grande”, revela Antunes.

Engenheiro de segurança

O fato de ainda estarem ocorrendo acidentes de trabalho na cidade, segundo o engenheiro de segurança do trabalho da empresa TWS, Henrique de Oliveira Lucas, se deve aos próprios trabalhadores que ainda não estão totalmente conscientizados da obrigação de usar os itens de proteção. “As empresas que tenho prestado assessoria têm plena consciencia da importância desses equipamentos, o que falta é a conscientização do trabalhador. A cultura do Brasil mostra uma certa resistência ao uso, até por falta de uma conscientização maior e de mais treinamentos oferecidos aos trabalhadores, mostrando que ele precisa daquilo para se manter em segurança”, avalia Lucas.

Um dos meios para se conseguir que os operários não evitem os equipamentos de segurança seria as empresas tornarem a obrigação de uso mais rigorosa, cabendo advertência ou demissão por justa causa, no caso de ser flagrado trabalhando sem utilizar os itens, como Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), luvas, calçados de segurança e óculos, por exemplo. “Um técnico de segurança dentro da empresa poderia estar promovendo mais incentivos nessa área. Seria bom colocar o pessoal em salas e fazer um treinamento, explicando e mostrando as consequências do não uso e o mau uso dos equipamentos. O caminho é esse”, define o engenheiro de segurança do trabalho.

Fonte: http://www.cruzeirodosul.inf.br

Notícias Relacionadas